Language:
Texto original escrito em inglês. Todas as traduções foram feitas usando IA
00:00

Fratura do olécrano: Fixação com placa de olécrano LCP da Synthes

ver:

Visão geral

Inscreva-se para obter acesso total a essa operação e ao extenso Atlas de Cirurgia da Ombro e cotovelo.

TESTE GRATUITO


As fraturas do olécrano compreendem cerca de 10% de todas as fraturas ao redor do cotovelo. Elas têm uma distribuição bimodal e geralmente ocorrem como lesões de alta energia em jovens e quedas de baixa energia em idosos.

Elas podem ocorrer como um golpe direto, resultando em fraturas cominutivas, ou indiretamente, como uma queda sobre uma mão estendida, resultando em fraturas transversais ou oblíquas.

A posição do cotovelo pode influenciar o padrão da lesão. Foi demonstrado que as fraturas da cabeça radial e do coronoide ocorrem em testes laboratoriais com flexão inferior a 80 graus, as fraturas do olécrano com 90 graus de flexão e as fraturas do úmero distal com mais de 110 graus (Amis AA, Miller JH. The mechanism of elbow fractures: an investigation using impact tests in vitro (O mecanismo das fraturas de cotovelo: uma investigação usando testes de impacto in vitro). Injury 1995;26:163-8).

Anatomicamente, vale lembrar que o olécrano, com o processo coronoide, forma o entalhe sigmoide maior e a articulação ulno-humeral que atua como estabilizador primário do cotovelo (junto com o ligamento colateral medial e lateral). O olécrano recebe a inserção do tríceps, bem como o anconeus no lado lateral.

Para fraturas deslocadas do olécrano, a fixação cirúrgica é recomendada, a menos que o paciente seja funcionalmente de baixa demanda ou clinicamente de alto risco, submetido a anestesia geral. O método de fixação é essencialmente determinado pelo padrão da fratura. Minha preferência, na maioria dos casos, é pelo plaqueamento do olécrano ou pela fixação com banda de tensão. A fixação com banda de tensão é o método mais comum de fixação interna usado para fraturas não cominutivas do olécrano. Os princípios da fixação da banda de tensão envolvem a conversão da força de tensão no aspecto dorsal da fratura em uma força de compressão dinâmica na superfície articular. No entanto, há ressalvas quanto ao uso do princípio da banda de tensão quando ele pode não ser apropriado para a fixação, como segue:

1 – Cominuição. Se houver cominuição, não há estabilidade inerente suficiente e a fixação corre o risco de falha biomecânica, pois as forças de tensão não podem ser transferidas para uma força de compressão.
2 – Obliquidade da fratura. Quanto mais oblíqua for a fratura, mais as forças atuantes se desviam da linha de ação. Isso introduz um momento de flexão e, novamente, é teoricamente menos robusto.
3 – Fraturas distais ao centro de rotação da articulação do cotovelo. As fraturas que ocorrem distalmente ao centro de rotação, mais uma vez, introduzem um momento de flexão na fratura e podem afetar a estabilidade e, portanto, podem causar falhas.
4 – Fraturas associadas. Fraturas de coronoide, fraturas da cabeça radial e fraturas do tipo Monteggia podem aumentar a instabilidade no cotovelo, que uma fixação com banda de tensão não foi projetada para neutralizar.

Se todos esses fatores forem atendidos, a fixação com banda de tensão é uma boa opção. Se todos os critérios não forem atendidos, isso não exclui a fixação com banda de tensão como método de fixação. Como em toda cirurgia, é necessário pesar os prós e os contras do método de fixação.

Em minha prática pessoal, se esses critérios não forem atendidos, opto por placas de bloqueio anatômicas pré-contornadas da Synthes. O design da placa permite mais opções de parafusos, especialmente com relação à fixação do fragmento proximal, que pode ser pequeno e multifragmentário em alguns casos. Acredito que essas placas também oferecem uma fixação superior como resultado da construção de ângulo fixo. Esse é especialmente o caso se houver preocupação com a qualidade óssea em termos de osteoporose e osteopenia.

Autor: Mr Samuel Chan FRCS (Tr & Orth)

Instituição: The Queen Elizabeth Hospital, Birmingham, UK.

Os médicos devem buscar esclarecimentos sobre se qualquer implante demonstrado está licenciado para uso em seu próprio país.

Nos EUA, entre em contato com: fda.gov
No Reino Unido, entre em contato com: gov.uk
Na UE, entre em contato com: ema.europa.eu

Credenciamentos

Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo

Associates & Partners

Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo
Textbook cover image Voltar para
Livro-texto Orthosolutions Roundtable