Language:
Texto original escrito em inglês. Todas as traduções foram feitas usando IA
00:00

Fusão Lombar Intercorporal Anterior L4/5 e L5/S1 [Medtronic AVILA™-A com Sistema de Placa Lombar Anterior PYRAMID™]

ver:

Visão geral

Inscreva-se para obter acesso total a essa operação e ao extenso Atlas de Cirurgia da Coluna vertebral.

TESTE GRATUITO


Poucas áreas da medicina clínica são tão controversas quanto o tratamento das condições associadas à dor lombar crônica.

A dor lombar crônica é definida como dor lombar (LBP) com duração de 3 meses ou mais que não emana de uma entidade patológica claramente definida, como deformidade, fratura, compressão neural, neoplasia ou infecção. A compressão neural sintomática que causa dor nas nádegas ou nas costas pode imitar a dor lombar crônica, mas por ser de etiologia neurogênica e, portanto, excluída da definição de dor lombar crônica. Embora a definição acima seja consensual e amplamente utilizada, argumenta-se que as definições baseadas apenas na duração são problemáticas e não fazem justiça ao curso clínico frequentemente recorrente e flutuante típico de muitos pacientes.

As dificuldades no tratamento da dor lombar crônica estão tanto no diagnóstico quanto no tratamento. O dilema do diagnóstico geralmente decorre da incapacidade de localizar e identificar a fonte da dor; o dilema do tratamento decorre da falta de uma modalidade de tratamento bem definida e reproduzível que alivie de forma definitiva e confiável a dor lombar crônica.

A modificação da atividade, a analgesia e a terapia de reabilitação física são a base do tratamento não cirúrgico da dor lombar crônica. Medicamentos narcóticos são prescritos com frequência em casos resistentes a melhorias iniciais, e os transtornos por uso de substâncias não são incomuns em pacientes com dor lombar crônica. Observou-se que comportamentos aberrantes de uso de medicamentos ocorrem em até 24% dos casos.

A maioria concorda que os discos intervertebrais podem ser uma fonte de dor, independentemente do impacto nas estruturas neurais. Sabe-se que o ânulo externo e o ligamento longitudinal posterior são ricamente inervados por fibras nociceptivas. Foi levantada a hipótese de que esses nociceptores são ativados por estímulos mecânicos ou bioquímicos para causar dor. Além disso, um núcleo danificado pode produzir substâncias químicas inflamatórias que estimulam ou sensibilizam os nociceptores.

Alguns cirurgiões usam a discografia com o objetivo de tentar determinar objetivamente se um disco é doloroso, mas outros, como eu, questionam se a discografia é útil para o diagnóstico ou o planejamento do tratamento. Para uma boa descrição e revisão dessa técnica, leia a discografia lombar (L3/L4)da técnica Orthoracle de Andrew Youngs

Sugeriu-se que os pacientes com dor lombar debilitante que não conseguem encontrar alívio com o tratamento não cirúrgico e cuja origem da dor se acredita residir no segmento de movimento podem ser considerados para tratamento cirúrgico, com a intenção de eliminar esse movimento doloroso.

Apesar da publicação de várias revisões sistemáticas sobre a eficácia clínica da cirurgia de fusão para doença degenerativa do disco ou dor lombar crônica, as recomendações têm sido inconclusivas. Vários autores afirmaram que a dor lombar crônica é uma entidade multifatorial e que, até o momento, o tratamento cirúrgico não conseguiu demonstrar nenhum efeito benéfico quando comparado ao tratamento não cirúrgico, ao placebo ou à história natural. Acho que é justo dizer que os estudos publicados até o momento não mostram uma vantagem clara da fusão, mas mostram algum benefício modesto para alguns elementos de dor, função e qualidade de vida.

Minha opinião é que as revisões se basearam em grande parte em um número limitado de estudos prospectivos randomizados, principalmente comparando a fusão com tratamentos não cirúrgicos. Na realidade, a comparação entre a fusão e o tratamento não cirúrgico da dor lombar é artificial porque, na prática clínica, o tratamento não cirúrgico e a cirurgia não são, e não devem ser, tratamentos concorrentes. Eles são tratamentos geralmente realizados em série e não em paralelo.

Nesse caso, realizo uma fusão intercorporal lombar anterior (ALIF) autônoma de L4/5 e L5/S1 usando o sistema de intercorpo de liga de titânio Medtronic Avila™ -A (anterior) com placa PYRAMID™ anterior. As características que acredito serem benéficas nesse sistema incluem o fato de o cage ser feito de titânio (meus motivos para preferir o titânio serão explicados mais adiante), ter uma grande janela interna para o enxerto (mas com vigas internas que ajudam a segurar o enxerto ósseo colocado e também aumentam a área da superfície de contato entre o cage e a placa) e dentes anti-back out em ambas as superfícies de convexidade duplas que proporcionam um ajuste íntimo com as placas vertebrais finais, o que maximiza a aderência da superfície de contato e aumenta a resistência à expulsão do cage.

Autor: Neil Upadhyay FRCS(Tr & Orth).

Instituição: The Avon Orthopaedic Centre, Bristol, UK.

Os médicos devem buscar esclarecimentos sobre se qualquer implante demonstrado está licenciado para uso em seu próprio país.

Nos EUA, entre em contato com: fda.gov
No Reino Unido, entre em contato com: gov.uk
Na UE, entre em contato com: ema.europa.eu

Credenciamentos

Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo

Associates & Partners

Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo
Textbook cover image Voltar para
Livro-texto Orthosolutions Roundtable