Language:
Texto original escrito em inglês. Todas as traduções foram feitas usando IA
00:00

Liberação aberta do dedo em gatilho

ver:

Visão geral

Inscreva-se para obter acesso total a essa operação e ao extenso Atlas de Cirurgia da Membro superior e mão.

TESTE GRATUITO


O desencadeamento dos dígitos (tenovaginite estenosante) é mais comum em mulheres entre 50 e 60 anos de idade. Os dedos polegar e anelar são os dígitos mais comumente afetados, sendo a mão direita mais comumente afetada do que a esquerda.

A maioria dos casos é idiopática, embora certos fatores, como a força repetida de preensão ou trauma, possam ser a causa. Esta seção não discute o polegar/dedo em gatilho congênito, que tem uma patologia e uma via de tratamento diferentes. Condições médicas como diabetes, gota e artrite reumatoide também estão implicadas no desenvolvimento da doença.

O problema ocorre na polia A1 devido ao estreitamento da bainha flexora ou abaulamento ou do tendão, causando dor e restrição de movimento. O processo patológico que ocorre na polia A1 é uma evolução de feixes colágenos paralelos compactos e densos para um padrão irregular de tecido fibroso com metaplasia condroide da polia com deposição de ácido hialurônico, sulfato de condroitina e proteoglicanos.

No aspecto palmar da mão, geralmente há duas dobras transversais. A prega palmar proximal e a distal. Essas dobras são criadas quando as articulações metacarpofalangeanas (MCPJs) se flexionam e são dispostas de forma sobreposta devido ao comprimento dos metacarpos, sendo o dedo médio o mais longo, depois o indicador, o anelar e, por fim, o mínimo. O sulco palmar distal começa na junção da pele glabra e não glabra no lado ulnar da palma e se estende, desviando-se ligeiramente para distal, no nível do segundo espaço da membrana. O vinco palmar proximal se estende da borda radial da mão na junção da pele glabra e não glabra, começando na mesma distância distal e proximal ao longo da palma, desviando-se ligeiramente para a proximidade e terminando no nível do quarto espaço da membrana.

A liberação aberta da polia A1 é um procedimento geralmente realizado em caso de desencadeamento recorrente ou persistente refratário ao tratamento não cirúrgico. O procedimento pode ser realizado em um dia, sob anestesia local, e leva cerca de 15 minutos para um cirurgião experiente. O paciente recebe um curativo simples e é solicitado a se mobilizar conforme for possível, e normalmente não é necessária nenhuma terapia manual. Depois de 3 a 6 semanas, a cicatriz amolece e o uso total da mão, inclusive a preensão firme, é possível.

Autor: Sr. Mark Brewster FRCS (Tr & Orth).

Instituição: The Royal Orthopaedic Hospital, Birmingham, Reino Unido.

Os médicos devem buscar esclarecimentos sobre se qualquer implante demonstrado está licenciado para uso em seu próprio país.

Nos EUA, entre em contato com: fda.gov
No Reino Unido, entre em contato com: gov.uk
Na UE, entre em contato com: ema.europa.eu

Credenciamentos

Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo

Associates & Partners

Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo
Textbook cover image Voltar para
Livro-texto Orthosolutions Roundtable