Language:
Texto original escrito em inglês. Todas as traduções foram feitas usando IA
00:00

Estenose espinhal lombar: descompressão “Over the top

ver:

Visão geral

Inscreva-se para obter acesso total a essa operação e ao extenso Atlas de Cirurgia da Coluna vertebral.

TESTE GRATUITO


O termo estenose é derivado da palavra grega para “estreito”. A estenose espinhal descreve um estreitamento anormal do espaço na coluna vertebral para as estruturas neurais.

A estenose espinhal lombar é uma condição muito comum que afeta até 40% dos adultos com mais de 60 anos devido a alterações degenerativas relacionadas à idade, embora menos de 10% possam ser sintomáticos.

A estenose espinhal pode ocorrer em qualquer nível da coluna vertebral. É mais comumente causada por hipertrofia da articulação facetária, hipertrofia do ligamento amarelo e protuberâncias degenerativas do disco largo. Como a coluna lombar e a coluna cervical se movimentam mais do que a coluna torácica, as alterações estenóticas são mais comuns nessas seções móveis da coluna. Mais forças passam pela coluna lombar, o que significa que as alterações estenóticas são mais comuns nessa área.

A estenose espinhal pode afetar o canal central e os recessos laterais, mas também pode causar estenose foraminal. Ela também pode estar associada a um deslizamento ou espondilolistese, que pode ser para frente (anterolistese), para trás (retrolistese) ou para o lado (listese lateral), bemcomo a uma deformidade espinhal mais geral. Há também um subgrupo de pacientes com estenose congênita que os predispõe a se tornarem sintomáticos se desenvolverem alterações degenerativas mais tarde na vida.

A condição geralmente se apresenta de forma insidiosa com claudicação da coluna vertebral. O termo claudicação significa dor em cãibras nas pernas durante o esforço; deriva do verbo latino “mancar” e remete à marcha anormal do imperador Cláudio. A claudicação espinhal ou neurogênica se manifesta como parestesia ou dor, progredindo para dor e fraqueza. Em geral, os pacientes apresentam claudicação espinhal que afeta ambos os membros inferiores, mas pode se apresentar unilateralmente. A dor geralmente começa quando os pacientes ficam em uma posição por mais de alguns minutos ou quando caminham por mais de 5 a 10 minutos. Os pacientes geralmente se queixam de que os sintomas são piores se tiverem que andar lentamente pelas lojas. Inclinar-se para a frente em uma bengala, quadro ou carrinho de compras pode aliviar os sintomas, pois a flexão torna o canal espinhal lombar mais largo. Os pacientes também descrevem que precisam se sentar ou se inclinar para a frente para que os sintomas desapareçam.

A maioria dos pacientes pode ser tratada de forma não cirúrgica com analgésicos neuropáticos, ênfase em permanecer o mais ativo possível para evitar o descondicionamento e modificação das atividades que provocam os sintomas. Entretanto, para aqueles que esgotaram as medidas não operacionais, a cirurgia pode ser benéfica.

A descompressão lombar é uma técnica cirúrgica bem descrita para tratar a estenose do canal lombar e é indicada quando o paciente tem sintomas de claudicação neurogênica e/ou dor radicular que estão afetando sua qualidade de vida e o tratamento conservador falhou.

O objetivo da operação é obter uma descompressão satisfatória das raízes nervosas comprimidas no canal, no recesso lateral e no forame proximal no nível envolvido.

Uma consideração importante é minimizar o rompimento do tecido mole e do osso, o que pode levar a menos dor pós-operatória. Mais importante ainda, minimizar a exposição reduz o risco de causar instabilidade tardia iatrogênica pós-operatória no nível operado. Isso é particularmente importante se houver uma microinstabilidade preexistente no nível do índice. A instabilidade tardia pode levar à estenose recorrente, piorar a dor lombar e piorar os resultados a longo prazo.

A “banda de tensão” anatômica posterior é composta por estruturas de tecido mole, incluindo a musculatura paraespinhal, o ligamento supraespinhal, os elementos posteriores das vértebras e as articulações das articulações facetárias e, na medida do possível,essas são as estruturas que se deseja preservar.

Houve várias modificações na laminectomia lombar da linha média para minimizar o rompimento da coluna posterior. Elas incluem a descompressão intersegmentar lombar, a osteotomia do processo espinhoso, a cirurgia minimamente invasiva (MIS) por meio de sistemas tubulares e opções microcirúrgicas endoscópicas.

No entanto, o principal objetivo do tratamento cirúrgico é obter uma descompressão satisfatória das raízes nervosas, pois esse é o fator mais importante para determinar os resultados pós-operatórios.

A abordagem “Over the Top” é uma modificação adicional da descompressão lombar padrão, que envolve uma abordagem unilateral e o deslocamento do corredor cirúrgico para o lado contralateral dos elementos neurais, passando “por cima” da teca.

Dessa forma, há uma redução do rompimento da banda de tensão posterior que contribui para a estabilidade segmentar. A musculatura paraespinhal contralateral e a cápsula da articulação facetária são completamente preservadas. Com menos ruptura do tecido mole, os pacientes também devem ter menos dor pós-operatória.

Neste caso específico, utilizo o aspirador ultrassônico Sonopet da Stryker para realizar parte da ressecção óssea. Essa é uma técnica muito segura que minimiza o risco de lesão dural ao ressecar o osso próximo a estruturas neurais.

Os leitores da OrthOracle também acharão interessantes as seguintes técnicas associadas:

Descompressão da coluna lombar na linha média (para estenose espinhal)

Fusão Intercorporal Transforaminal Lombar L5/S1 Minimamente Invasiva usando parafusos pediculares Nuvasive, afastador MAS e gaiola Stryker OIC PEEK.

Descompressão da coluna lombar para estenose espinhal

Fusão interbody lombar transforaminal navegada L4-S1 e descompressão usando Medtronic Solera e Artic-L

Autor: Mark Nowell FRCS

Instituição: Southmead Hospital, Bristol, UK.

Os médicos devem buscar esclarecimentos sobre se qualquer implante demonstrado está licenciado para uso em seu próprio país.

Nos EUA, entre em contato com: fda.gov
No Reino Unido, entre em contato com: gov.uk
Na UE, entre em contato com: ema.europa.eu

Credenciamentos

Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo

Associates & Partners

Logo Logo Logo Logo Logo Logo Logo
Textbook cover image Voltar para
Livro-texto Orthosolutions Roundtable